Rondônia, 24 de abril de 2024
O Minuto Notícia ×

Ação da Polícia Militar acreana pode ter provocado a morte de tia de Weverton goleiro do Palmeiras

Maria José Pereira, de 67 anos, foi atingida com spray de pimenta e morreu após passar mal em decorrência de invasão na residência onde morava em Rio Branco.

Autor:
Maria José Pereira tinha 67 anos e morreu nesta terça-feira (13) no Pronto-Socorro de Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal

Maria José Pereira, de 67 anos, morreu na última terça-feira (13) após passar mal em decorrência da invasão de policiais militares na casa onde morava, no bairro Pista, em Rio Branco. Na ocasião, duas foram levadas para a delegacia sob a justificativa de desacato.

A casa da tia do goleiro Weverton, do Palmeiras, foi invadida por agentes na última quinta-feira (8) que buscavam um parente do futebolista. Vídeos mostram o momento da abordagem, onde os policiais usaram spray de pimenta nos familiares que disseram que o suspeito já está preso há cerca de dois anos.

Em nota, a Polícia Militar do Acre (PM-AC) disse que vai instaurar um inquérito para investigar a situação e a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Acre (OAB-AC) se solidarizou com a advogada supostamente agredida.

 A família

Maria José Pereira, de 67 anos, tia de Weverton, teve um infarto e morreu, após passar mal durante a invasão e ser internada no Pronto Socorro de Rio Branco.
Márcio Pereira, filho de Maria José, seria o alvo da ação policial por suspeita de furto. Segundo a família, ele já está preso há dois anos. Pereira chegou a comparecer ao velório da mãe, nesta terça, escoltado por policiais.
Márcia e Magna Pereira, duas primas do goleiro Weverton e filhas de Maria José, que acabaram presas por desacato após entrar em conflito com os policiais durante a ação.

A advogada

Helane Christina, advogada da família, teria sido agredida por um dos policiais depois de ter ido até a Delegacia de Flagrantes (Defla) de Rio Branco para acompanhar a filha de Maria José, que foi presa por desacato após a invasão da residência.
O policial

Manoel Ribeiro do Nascimento Neto, policial que participou da invasão à casa da família e que é citado no boletim de ocorrência como responsável por agredir a advogada Helane Christina. Outros três PMs participaram da ação, mas não tiveram os nomes divulgados.



Compartilhar


Veja Também

Deixe um Cometário